Segunda-feira, 11 de Novembro de 2019 (66) 98428-3004
informe o texto a ser procurado

Notícias / Agronegócios

08/11/2019 | 08:53

Produção de algodão orgânico em assentamento na Paraíba ganha prêmio nacional

Redação - Repórter Agro

A Organização Não Governamental (ONG) paraibana Arribaçã ganhou, nesta semana, o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social de 2019 pela produção de algodão orgânico. O trabalho é desenvolvido na região da Borborema e Cariri Ocidental (PB) desde 2003. A organização assessora agricultores familiares no estado.

Com a metodologia “O Algodão Agroecológico Gerando Renda e Conhecimento no Curimataú Paraibano”, os responsáveis pela iniciativa receberam R$ 50 mil reais e devem usar o dinheiro para expandir o trabalho junto com os agricultores.

Nos assentamentos assessorados pela Arribaçã, os agricultores seguem critérios como: o cuidado com a saúde do produtor e do solo; a proteção da biodiversidade; a valorização das sementes tradicionais; e o respeito aos limites da natureza e as relações humanas. 

Maria Amália Marques é uma das integrantes da ONG Arribaçã. Ela conta que a maior parte dos assessorados é composta por assentados da reforma agrária.

Marques explica que o trabalho desenvolvido junto aos agricultores levou à criação da Rede Borborema de Agroecologia.  A principal função da organização é certificar a produção como produto orgânico reconhecido pelo Ministério da Agricultura. O selo facilita a comercialização no mercado de orgânicos em nível nacional e internacional.

"Esse é o primeiro SPG [Sistema Participativo de Garantia] do estado da Paraíba devidamente credenciado no Ministério da Agricultura, apto a certificar sistemas de produção e usar o selo de orgânicos do Brasil. É uma organização muito importante, que vem fortalecer o processo de produção orgânica e a agroecologia nas áreas de assentamento", destaca. 

Pelo alto valor das certificações, antes os agricultores da região ficavam dependentes das empresas compradoras de seu produto, pois eram elas que financiavam o processo. 

A integrante da ONG conta que isso diminuía a independência e a capacidade de negociação do valor do produto final. 

Foi então que – incentivados pela Arribaçã – os produtores passaram a se organizar e formaram a Rede Borborema, o que permitiu que eles mesmos fizessem a certificação da produção. 

Atualmente, a Rede Borborema conta com cinco grupos de produção em assentamentos nos municípios paraibanos: Remígio, Prata, Casserengue e Amparo, compostos por 34 produtores com certificação para produzir o algodão. 

Só em 2019, a Rede certificou mais de 60 unidades de produção, todas de agricultura familiar. Hoje, os agricultores vendem o algodão para uma empresa francesa que fabrica sapatos com matéria-prima sustentável, a Vert Shoes.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Desenvolvido por Investing.com
Resumo Técnico fornecido por Investing.com Brasil.
 
Sitevip Internet